2 de jan de 2011

Abib Calume Cia. Ltda.. O Senhor Jorge Calume disse: - vou mandar-lhe a passagem de ida e volta, paga nos serviços aéreos Cruzeiros do Sul Sociedade Anônima, hoje é Varig, cresceram muito!

E foi assim que o velho Antônio Zaine chegou no Acre há mais de 50 anos.
O museu particular criado por ele possui muitas raridades.. Poronga, cabrita, chimachi. Quantas histórias e quantas memórias.

Dona Carmen, sua esposa:
- Se nós aqui sofria, magina eles no meio da mata. Diziam que eles eram muito explorados pelos seringalistas. Deviam ser!

(eles, são os seringueiros, soldados da borracha, que fugindo da guerra tiveram como única opção a seringa amazônica e a vida na floresta)

Antônio trabalhou a vida toda na Abib Calume, loja que aviava mercadorias para o seringueiros.

- Você comprou sapato, você comprou xita, você comprou perfume para tua mulher, você comprou vestimenta para tecido, você comprou tênis daqueles... Ah! Ainda tem saldo, saldo por vinte, o vinte tá chegando aí!

(os seringueiros compravam as mercadorias que necessitavam pra viver a preços altíssimos, em troca de borracha, durante todo ano. Os patrões impediam-nos de paltar e roçar para que cuidassem apenas das seringas e produzissem mais borracha. Toda alimentação (farinha, arroz, feijão) era aviada, mesmo que a fiado, para ser paga com borracha)
No fim do ano era calculado o saldo, dinheiro da diferença entre as borrachas e as mercadorias, que muitas vezes era gasto no 20 de janeiro, dia de São Sebastião, quando XApuri fica cheio de mascates e vendedores para procissão que toma conta da cidade.
Muitos seringuerios trabalhavam o ano todo e no Saldo ainda ficavam com dívidas para o próximo ano!

- Me dá o talão do fulano, da colocação tal, do seringal tal. Ele tem saldo deu Adão? 4 contos de réis. Providencie seu Pinheiro!

(seu antonio tem 84 anos e dedica sua vida a cuidar dos tantos objetos que contam a história de Xapuri e dos seringais)

Natália Siufi, de Rio Branco, sede do Grupo VIVARTE, dia 02.01.2011

Nenhum comentário: