26 de jan de 2011

Eu já dormi em Igreja, Seringal, em quilombo, em posto de saúde de aldeia indígena e agora durmo em um circo, ou tento dormir. Aqui peguei um etafon, que amortece saltos, e no meio do picadeiro tentei saltar no sonho. Mas a imagem noturna daquela abóboda engraçada me impediu de pegar no sono. Aquele riso do baço me deixou alvoroçado com a imaginação de que ali, sob meu corpo cansado havia pegadas de elefantes e cada vez mais foi ficando impossível de enjaular o meu sono, pois parece que estou tentando dormir na rua, sob um pequeno toldinho. Vieram os palhaços Butuca, Porvin e Pernilongo. Porvin ruflou seu tamborete na minha orelha esquerda. Pernilongo tocou suas longas notas de trumpete na minha orelha direita, enquanto Butuca sapateou arlequinal na minha testa..
Eric D'Ávila

2 comentários:

Carmen disse...

Nossa Eric, eu estava pensando exatamente nos lugares que vcs dormiram pois acabei de ver o comentario do Pedro no facebook. Pelo visto o off familia não resolve nada mesmo.Oh tristeza.
abs

Breve histórico disse...

De tudo isso,a melhor parte foi os nomes de palhaços...bem criativos,quem tiver procurando nomes...espero que o circo continue em você não só nos sonhos...bjsss
Gena Leão.